Como parar de fumar com cigarro eletrônico

Você deve estar se perguntando “cigarro eletrônico ajuda a parar de fumar?” ou “como posso parar de fumar com vaporizadores?”. 

Um estudo publicado na New England Journal of Medicine apresentou dados que mostram que o cigarro eletrônico também pode ser uma das formas de parar de fumar. Nessa pesquisa, 886 participantes diminuíram ou pararam definitivamente de fumar cigarro comum. O estudo mostrou que 18% dos participantes que trocaram o cigarro convencional por cigarro eletrônico pararam de fumar depois de um ano. Parar de fumar não é um ato simples, como todos já sabem, e essa porcentagem torna-se totalmente significante por conta disso. E, estudos feitos na Europa e nos Estados Unidos apresentaram resultados mostrando que há muito mais benefícios do que malefícios em usar os cigarros eletrônicos. Isso por conta de o cigarro eletrônico não realizar a produção de fumaça, mas sim de vapor, não havendo queima (combustão). Além disso, os cigarros eletrônicos não possuem os componentes químicos (alcatrão e monóxido de carbono) que fazem mal à saúde e estão presentes no cigarro convencional.
Quanto ao cigarro convencional, esta é apenas uma das maneiras usadas para administrar a nicotina. Porém, esse cigarro não contém apenas nicotina, mas também possui alcatrão e monóxido de carbono, que são os principais motivos para que você tenha que estar em ALERTA! Isso pelo fato de o alcatrão ser uma mistura complexa de vários compostos maléficos à saúde, que muitas vezes são desconhecidos, podendo ter cerca de 4 mil compostos químicos e, entre eles, pelo menos, 40 são considerados cancerígenos, sem contar as outras incontáveis doenças que podem ser causadas pelo alcatrão. Quanto ao monóxido de carbono, um gás tóxico e inflamável,  este é originado de uma queima de inúmeras substâncias responsáveis por encadear asfixia e estar relacionado à doenças cardiovasculares, respiratórias e cancerígenas, ou seja, é um gás extremamente perigoso e prejudicial à saúde. 
Por meio do cigarro comum, uma combustão da nicotina deve ser feita para que você possa inalá-la, e com essa combustão você não inala somente a nicotina, mas sim outras substâncias, como as citadas anteriormente. Isso sem contar que a maioria dos fabricantes de cigarros incluem em seus produtos conservantes, os quais aumentam ainda mais o nível de dependência do fumante. A combustão, por sua vez, é uma reação química entre dois ou mais reagentes que libera uma grande energia em forma de calor, ou seja, nada mais é do que a queima destes reagentes. Posto isso, vale lembrar que a fumaça do cigarro é criada por meio da queima dessas substâncias ofensivas, o que causa vários problemas pulmonares, além de prejudicar a sua saúde num todo.
Não é atoa que as fabricantes colocam fotos que mostram os malefícios que o cigarro causa, pois o cigarro comum não ocasiona somente doenças pulmonares, ele também é capaz de causar mau hálito, debilitar o sistema imunológico, aumentar o risco de ataques cardíacos e derrames, inflamar a região da gengiva, ocasionar a perda de dentes, diminuir o paladar, entre outros inúmeros problemas de saúde, aparência e também nas relações interpessoais, isso por conta da fumaça causada pela combustão que tem um péssimo odor, fazendo com que as pessoas não queiram ficar perto, pois a roupa e os cabelos ficam com um cheiro desagradável de cigarro.
Vale lembrar ainda sobre a existência do fumante passivo, que, mesmo não fumando diretamente, acaba inalando as substâncias que estão presentes na fumaça do cigarro. Essa fumaça que o fumante passivo inala é chamada de fumaça de segunda mão, que não é tão perigosa como é fumar o cigarro diretamente, mas se você está em um período prolongado no mesmo ambiente que um fumante, ela pode ser considerada de alto risco, pois, como foi dito anteriormente, o fumante passivo acaba inalando a mesma fumaça e absorvendo as mesmas substâncias prejudiciais ao corpo que o cigarro convencional tem.
Falando agora de nicotina, os tipos de nicotina usados em cigarros eletrônicos podem ser em forma líquida ou em sais de nicotina, conhecidos como Nic Salt, pois são mais voláteis e de rápida absorção, e, quando utilizados em cigarros eletrônicos, entram diretamente no seu organismo, sem realizar a produção de monóxido de carbono, fazendo com que você solte apenas o vapor com resíduos de propilenoglicol, glicerina vegetal e aromatizantes. Ainda, a nicotina vaporizada praticamente absorvida por inteiro no organismo (cerca de 93%), não havendo preocupação em causar malefício às pessoas que estão ao seu redor, ou seja, você não precisa se preocupar com o fato de existir um fumante passivo, pois as pessoas ao seu redor não estão inalando o vapor de nicotina que você solta. Com isso, utilizando cigarros eletrônicos no lugar do cigarro convencional, você deixa de causar malefícios a sua saúde e à saúde de outras pessoas, pois o cigarro eletrônico não produz monóxido de carbono e nem possui o alcatrão, causadores do câncer e outras doenças perigosas, pelo fato de não produzir fumaça e sim vapor, além de não exalar nicotina como no cigarro comum, não fazendo mal a ninguém que está a sua volta. 
Agora, falando de pesquisas e estudos feitos sobre os cigarros eletrônicos e seus benefícios, o especialista em toxicologia Igor Burstyn da Universidade de Drexel, acredita que o que sai no vapor dos cigarros eletrônicos é tão pouco contaminante que é improvável que se tenha algum risco. Muitas pessoas se preocupam com a nicotina de segunda ou terceira mão, a qual poderia ser inalada por crianças e animais, ou quando ficam depositadas em superfícies, fazendo com que estes toquem e acabem levando à boca, podendo ser prejudicial, porém, de acordo com um estudo da Universidade da Califórnia feito em 2016, cerca de 93% da nicotina inalada pelo usuário de cigarro eletrônico não é exalada e não prejudica à saúde de pessoas e animais que estão ao redor. Ainda, em uma revisão realizada em 2016 pelo Royal College of Physicians, a nicotina é depositada em tão pouca quantidade que não há a possibilidade dela entrar no organismo em dose alta causando danos físicos.
Vale lembrar, que as partículas de vapor que saem na vaporização são líquidas, e não sólidas como as que saem do cigarro comum, no entanto, não afetam a qualidade do ar. Um estudo de 2017 feito pela Universidade da Califórnia apresentou que o ar em 193 residências com famílias de renda baixa, que tinham a presença de fumantes de tabaco ou maconha, e que as famílias cozinhavam e queimavam velas, tinham as partículas da fumaça no ambiente familiar, e em 43 dessas casas que tinham partículas de vapor (por conta de cigarros eletrônicos), não apresentavam efeito considerável na qualidade do ar dentro das casas. Além disso, estudos mostram que em uma loja de vapes onde alguns clientes fumam durante o dia, os níveis tóxicos estavam abaixo dos limites permitidos, e a nicotina era praticamente nula naquele ambiente. Para concluir, em relação aos estudos citados anteriormente, acrescentado de uma revisão feita pela Public Health England sobre os riscos que o cigarro eletrônico causa, conclui-se que até então não se tem identificado riscos quanto ao vapor que é exalado.
Então, fica a questão “é possível parar de fumar com cigarro eletrônico?”. Um estudo feito no início de 2019 publicado no New England Journal of Medicine mostrou que usuários selecionados para usarem cigarros eletrônicos pararam de fumar quase o dobro comparados com usuários que usaram a técnica de reposição de nicotina para parar de fumar o cigarro convencional. E, pensando nos malefícios que o cigarro comum causa, e nos benefícios que o cigarro eletrônico traz para você, parar de fumar é mais uma consequência que ele causa, pois diminuir a quantidade de toxinas, muitas vezes são desconhecidas pelos usuários, que entram no corpo já é totalmente significante para realizar a troca do cigarro convencional pelo cigarro eletrônico. 
Além disso, é evidente que parar de fumar diminui a possibilidade de uma pessoa obter doenças causadas pelo fumo, sem contar que a qualidade e a expectativa de vida aumentam ainda mais. Ou seja, qualquer outra saída para eliminar o uso de cigarros convencionais é significante, pois o cigarro convencional é uma das maiores causa de morte no Brasil, e, segundo o Instituto Nacional do Câncer, mais de 150 mil mortes são por conta do uso de cigarros, e isso poderia ser evitado se as pessoas eliminassem esse hábito. Cada dia que passa aparecem mais estudos mostrando a eficácia no uso de cigarros eletrônicos para parar de fumar ou diminuir o consumo. 
Junto com as mortes e as doenças crônicas causadas pelo cigarro convencional, as bitucas deixadas e jogadas em lugares indevidos são extremamentes prejudiciais à natureza, isso por conta das 4 mil substâncias tóxicas presentes no cigarro, que contamina solos, rios e córregos. Uma bituca de cigarro jogada indevidamente fora demora cerca de 5 anos para se decompor, principalmente jogada em asfalto por motoristas.  Ainda, de acordo com o Portal do Governo da cidade de São Paulo, em estações secas, a bituca é uma das principais causas de incêndios que ocorrem no estado, reduzindo a segurança de residências e pistas próximas à vegetação e aumentando os danos que são causados na natureza. E, outra vantagem em utilizar os cigarros eletrônicos, é o fato de que, em sua grande maioria, os e-liquids são armazenados em recipientes de vidro, contribuindo assim com o bem-estar do meio ambiente.
Percebe-se então a importância de parar de fumar o cigarro comum, não só pela sua saúde, mas também pela saúde de outras pessoas e do meio ambiente. Parar de fumar soluciona vários problemas, pois quem não gera bituca e não exala substâncias tóxicas não prejudica nada nem ninguém. E para aqueles que buscam parar de fumar, o cigarro eletrônico está aí para ser uma de suas opções, se não a principal, pois além de não gerar lixo e não prejudicar a natureza, diminui a chance de você desencadear doenças crônicas e letais. E, somando a tudo isso, o cigarro eletrônico não deixa odor, pois você pode escolher o e-liquid da sua preferência sem se preocupar com o mau cheiro que ele irá deixar. A aparência é uma das coisas que preocupa os fumantes de cigarro comum, e com o cigarro eletrônico você não terá problemas de dentes amarelos, envelhecimento precoce da pele, e, principalmente, mau hálito. 
Fora isso, vale lembrar que o uso de cigarro eletrônico é muito mais econômico do que o uso de cigarro comum. E a conta básica para você entender essa economia pode ser vista na nossa página de “O que é o cigarro eletrônico”. Isso baseando-se em usuários que fumam apenas uma carteira por dia, sem contar os que têm um hábito mais avançado e um vício mais preocupante. E, diminuindo a quantidade de cigarros, trocados por cigarro eletrônico, você ajudará na economia em relação ao dinheiro gasto para limpar ruas e descontaminar águas de rios e lagoas, garantindo um ambiente melhor para as futuras gerações.

Mais informações:

Referências

BURSTYN, I. Peering through the mist: systematic review of what the chemistry of contaminants in electronic cigarettes tells us about health risks. BMC Public Health, Philadelphia, PA, v. 14, n. 18, 2014.

HAJEK, P. et al. A Randomized Trial of E-Cigarettes versus Nicotine-Replacement Therapy. Massachusetts, 14 feb. 2019. [.pdf].

INSTITUTO NACIONAL DO CÂNCER (INCA). Ministério da Saúde. O cigarro mata. 2017. Disponível em: https://www.inca.gov.br/como-parar-de-fumar. Vários acessos.

NEIL, E. K. et al. Fine particles in homes of predominantly low-income families with children and smokers: Key physical and behavioral determinants to inform indoor-air-quality interventions. PLoS ONE, [S. l.], v. 12, n. 5, p. 1-24, 17 may 2017.

ROYAL COLLEGE OF PHYSICIANS. Nicotine without smoke: Tobacco harm reduction. London: RCP, 2016.

SÃO PAULO (Estado). Queimadas: concessionárias integram Operação Corta Fogo. 7 jun. 2019. Disponível em: http://www.saopaulo.sp.gov.br/. Acesso em: 14 jun. 2019.

HELEN, G. et al. Nicotine delivery, retention and pharmacokinetics from various electronic cigarettes. Society for the study of addiction, [S. l.], v. 111, n. 3, p. 535-544, mar. 2016.

ZWACK, L. M.; STEFANIAK, A. B.; LEBOUF, R. F. Evaluation of Chemical Exposures at a Vape Shop. [S. l.], jul. 2017. [.pdf].